Avançar para o conteúdo principal

A poda no Outono, a saúde do corpo e a cura da alma...

Esta época de Outono/Inverno traz-me sempre memórias de coisas muito importantes que aprendi na infância.
Desde pequena, sempre que chegava a época do frio, da queda das folhas... depois das vindimas, depois da colheita da azeitona, depois de colhermos os frutos das árvores, como os figos, os diospiros e tantos outros, o meu pai e o meu avô podavam as árvores e as plantas. Lembro-me de ter uma sensação estranha de ver esse processo, apesar de ser feito sempre com muito cuidado e delicadeza. E em poucos meses viam-se os resultados: chegava a Primavera e apareciam os rebentos que traziam mais saúde e mais energia vital, que transformava aqueles seres da natureza em algo ainda maior e mais belo. 
Como é possível, pensava eu, que depois de cortes, às vezes muito grandes ("às vezes tem de ser" dizia o meu pai), estas árvores e estas vinhas ficarem ainda maiores??
De muitas formas, nós aprendemos desde pequenos, que depois da tempestade vem a bonança, como nos ensina a sabedoria popular, ou depois da humilhação a exaltação, como se lê na Bíblia...

No entretanto, o cuidado com a terra é essencial e nunca deve ser esquecido; o equilíbrio entre água que cai da chuva ou aquela que precisa vir do poço, com a energia sol e do ar puro, são os 4 elementos que a natureza precisa para se manter em equilíbrio. E nós somos mais como a natureza. Também temos raízes que precisamos nutrir, ramos que têm de se podar, frutos que querem amadurecer. 

O corpo é o que temos de mais sagrado, ele é frágil mas não é fraco, ele é uma planta, é a nossa árvore. Às vezes, tem folhas, às vezes tem flores, às vezes tem frutos e às vezes não tem nada. Mas enquanto tem vida tem o mais importante: a seiva. É a seiva que dá a vida, a energia vital. A seiva bruta, que vem da terra, com uma força tão poderosa que é capaz de subir pelas raízes acima e pelos caules em direção às folhas e a seiva elaborada, que consegue através da fotossíntese nutrir cada célula de cada parte da planta. Essa seiva que dá o mel, o néctar, a doçura viva e nutritiva. É através desta energia e deste equilíbrio que o nosso corpo se mantém vivo, frágil, mas forte. Forte se lhe soubermos dar os nutrientes de que ele precisa. 

E pergunto: Saberemos dar-lhe todos os nutrientes que ele precisa? Saberemos ouvir o que ele tem para nos dizer? Dar-lhe-emos ouvidos quando ele fala connosco? Ou precisa gritar? Ou ficar doente, para então pararmos e finalmente lhe darmos a tão necessária e merecida atenção? 

Tu ouves o teu corpo? Tu falas com o teu corpo? Tu perguntas-lhe como ele se sente? O que ele precisa? Não o que ele deseja. O que ele precisa verdadeiramente? Tem fome? Tem sede? De quê? Tu nutre-lo?

Já te aconteceu teres uma planta em casa dentro de um vaso com terra, terra das boas, daquelas que vêm cheia de nutrientes orgânicos e que tu por saberes isso até de repente pensas que tens ali uma proteção, não vás te esquecer de a regar durante uns tempos... 

... e durante um período regas com toda a dedicação, sempre com o cuidado de não exagerar, porque tudo o que exagerado intoxica e apodrece, e em outro período esqueces-te simplesmente que essa planta existe? E quando dás conta, ela já morreu, de fome, de sede, de nutrientes... Se nunca te aconteceu ou é porque nunca tiveste uma planta em casa ou se não, dou-te os meus parabéns! A mim já aconteceu. E mais que uma vez! E é isso, que queria partilhar hoje, não te esqueças de regar e nutrir a tua planta, no tempo e na dose exata, a dose que ela precisa para se manter forte e bonita. Nem muito nem pouco. Porque já Paracelso nos ensinou que é a dose que faz o veneno. E também há alturas em que a poda é necessária. Só assim deixamos os que não nos serve mais para podermos florescer.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…

O meu pai e o Pai Nosso

O dia do Pai é todos os dias, sendo que em Portugal, é celebrado hoje, dia de São José, o pai de Jesus.
É natural que hoje nos venha à memória muitos momentos que guardamos desde pequeninos do nosso pai, uns bons, outros menos bons, uns alegres, outros tristes... cada um de nós terá as suas histórias.
Mas por detrás de todos esses momentos, por mais dolorosos ou causadores de feridas tão profundas no interior de uma criança tão pura, que muitas vezes levaram mais de vinte anos a tornarem-se passíveis de ser saradas, nós sempre soubemos que existiu algo por trás de tudo isso, algo intangível. Não cresceu nem diminuiu.
Nasceu simplesmente quando viemos ao mundo, através deste pai: o amor incondicional.
E só por isso, consigo compreender o que nos ensinaram um dia "que o senhor é o meu pastor e nada me faltará".