Avançar para o conteúdo principal

DIETA VEGETARIANA/VEGANA

A posição da American Dietetic Association e da Dietitians of Canada é que “dietas vegetarianas, incluindo as veganas, corretamente planeadas são saudáveis, adequadas em termos nutricionais e podem proporcionar benefícios para a saúde, na prevenção e no tratamento de determinadas doenças. Bem planeada, a alimentação vegetariana é apropriada para indivíduos durante todas as fases do ciclo da vida, incluindo gravidez, lactação, infância, adolescência e também para atletas."

A transição deste tipo de alimentação deve ser realizada com cautela, idealmente com acompanhamento nutricional especializado, de forma a garantir que a saúde e a qualidade de vida sejam mantidos ou otimizados. De fato, ser vegetariano não significa apenas não comer carne e peixe. Muitos vegetarianos “principiantes” acabam simplesmente por aumentar a ingestão de alimentos derivados de animais, como os ovos e os lácteos, ou passam a comer de forma exagerada um determinado alimento, como a soja ou o tofu.

Existem alguns nutrientes que merecem especial atenção na dieta vegetariana, como as proteínas, a vitamina B12, a vitamina D, o ferro, o cálcio, o zinco, o iodo e o ómega 3, que em défice podem a longo prazo trazer prejuízos à saúde. Importa contudo salientar que o mesmo pode acontecer em qualquer alimentação deficiente e monótona, tão típica na nossa sociedade.

O tipo de alimentação que se seguiu no Ocidente nos últimos 50 anos, baseado no consumo de proteína animal e de produtos processados, está hoje a evidenciar graves consequências na saúde humana, sob a forma de doenças crónicas – como a obesidade, a hipertensão arterial, a diabetes, as doenças inflamatórias crónicas, as demências e o envelhecimento precoce, os desequilíbrios emocionais e as doenças psicossomáticas (de origem nervosa). 

Estas e muitas outras doenças mantêm uma relação muito estreita com os hábitos alimentares e de estilo de vida.
Por outro lado, a utilização intensiva de adubos, inseticidas e pesticidas pelas técnicas modernas da Agropecuária tem desgastado gravemente as terras de cultivo e consequentemente deteriorado as águas do mar, pela contaminação química. 

De um ponto de vista mais crítico e, de certa forma, mais consciente, há dois tipos de alimentos: os fermentativos e os putrefacientes, que basicamente são os de origem vegetal e os de origem animal, respetivamente. De fato, a carne, o peixe e os ovos utilizados na alimentação quotidiana, ao contrário dos vegetais, não são alimentos vivos, iniciando o seu processo de deterioração antes de serem expelidos pelo organismo e muitas vezes mesmo antes de chegar ao prato. Além disso, a carne destes animais está impregnada de toxinas e emoções violentas, fruto de uma vida e uma morte não naturais.

Mais que nunca, as nossas escolhas devem ser mais criteriosas e conscientes, indo muito para além da perspetiva nutricional. 

Alimentos verdadeiros, provenientes da Natureza. Não inventados por humanos, que de alimentação e saúde nada lhes diz respeito, tendo apenas interesses económicos e outros tantos. Alimentos saudáveis, frescos, nutritivos, ecológicos e saborosos. 

Comentários

  1. Olá! Eu quero iniciar o meu bebé numa dieta vegana. mas no centro de saúde não estão aptos a indicar-me a melhor maneira de o fazer sem que fique com carência de nutrientes, o meu bebé está com 4 meses e gostaria de me informar sobre este assunto antes de ele completar os 6 meses.

    Espero que me possa ajudar,
    Melhores cumprimentos,
    Rita G. Pinheiro

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…

O meu pai e o Pai Nosso

O dia do Pai é todos os dias, sendo que em Portugal, é celebrado hoje, dia de São José, o pai de Jesus.
É natural que hoje nos venha à memória muitos momentos que guardamos desde pequeninos do nosso pai, uns bons, outros menos bons, uns alegres, outros tristes... cada um de nós terá as suas histórias.
Mas por detrás de todos esses momentos, por mais dolorosos ou causadores de feridas tão profundas no interior de uma criança tão pura, que muitas vezes levaram mais de vinte anos a tornarem-se passíveis de ser saradas, nós sempre soubemos que existiu algo por trás de tudo isso, algo intangível. Não cresceu nem diminuiu.
Nasceu simplesmente quando viemos ao mundo, através deste pai: o amor incondicional.
E só por isso, consigo compreender o que nos ensinaram um dia "que o senhor é o meu pastor e nada me faltará".