Avançar para o conteúdo principal

MEDICINA NATURAL

No conceito filosófico da medicina natural, o médico não cura ninguém, apenas é um assessor da saúde. O principal mérito do médico é tornar consciente o indivíduo da sua saúde ou do seu estado de doença, de como pode modificar o curso da sua patologia e de informar as armas terapêuticas disponíveis.

A saúde é definida pela Organização Mundial da Saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença.

O especialista de medicina natural não tenta tratar ou eliminar os sintomas, antes dedica-se a estudar as verdadeiras causas que conduzem ao desequilíbrio a que se chama (na medicina natural) doença. Pois como afirma o velho ditado chinês “matar o ladrão não fecha a porta”. 

A medicina natural recomenda uma vida sã e equilibrada, considerando ser a única forma de se conseguir a verdadeira Saúde. Estas recomendações servem tanto ao doente que quer recuperar-se da doença como ao são para optimizar a sua saúde.

A saúde é o resultado do funcionamento correcto do nosso organismo em harmonia com as Leis da Natureza e os seus 4 elementos – a terra, a água, o ar e o sol. Um equilíbrio, além de orgânico, energético, psico-emocional, ambiental e social, que permite alcançar o potencial de saúde inerente a todo o ser humano.

A integração de todos estes componentes activa a capacidade curativa da natureza 
- VIS MEDICATRIX NATURAE.

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…

O meu pai e o Pai Nosso

O dia do Pai é todos os dias, sendo que em Portugal, é celebrado hoje, dia de São José, o pai de Jesus.
É natural que hoje nos venha à memória muitos momentos que guardamos desde pequeninos do nosso pai, uns bons, outros menos bons, uns alegres, outros tristes... cada um de nós terá as suas histórias.
Mas por detrás de todos esses momentos, por mais dolorosos ou causadores de feridas tão profundas no interior de uma criança tão pura, que muitas vezes levaram mais de vinte anos a tornarem-se passíveis de ser saradas, nós sempre soubemos que existiu algo por trás de tudo isso, algo intangível. Não cresceu nem diminuiu.
Nasceu simplesmente quando viemos ao mundo, através deste pai: o amor incondicional.
E só por isso, consigo compreender o que nos ensinaram um dia "que o senhor é o meu pastor e nada me faltará".